Tratamento de condições neurológicas com Toxina Botulínica: seria o meu caso uma indicação para Botox?

Por: Dra. Cynthia Resende Campos Herrera, publicado em: 05/07/2018

O uso terapêutico da forma purificada da Toxina Botulínica é um aliado importante e já consagrado no meio científico para o tratamento de diversas condições neurológicas. No Brasil, já dispomos de diversas marcas aprovadas pela Anvisa, entre elas Botox®, Dysport®, Xeomin® e Botulift®. De maneira simplificada, pode-se dizer que a Toxina Botulínica provoca relaxamento muscular. Ela interfere na comunicação entre terminações neuronais e fibras musculares onde é aplicada. Seu efeito pode durar de 3 a 6 meses, período no qual os pacientes apresentam significativa melhora dos sintomas que antes ocorriam pelo excesso de contratura ou de movimentos anormais.

Uma das formas mais comuns de contratura muscular é a Espasticidade. A espasticidade é uma sequela motora decorrente de lesões que acometem o sistema nervoso central, tais como como o Acidente Vascular Cerebral (AVC), traumatismo craniano ou medular, tumores, infecções, etc. Em geral, pacientes com espasticidade apresentam posturas contínuas e frequentemente dolorosas causando dificuldade de alongamento, dificuldade de adaptação a órteses e limitação de movimentos. Com o uso periódico da Toxina Botulínica, aliado a um programa dedicado de Fisioterapia, a funcionalidade e as dores do paciente podem melhorar significativamente.

Outro distúrbio de movimento que se manifesta com contratura muscular permanente é a Distonia. A contratura causada pela Distonia frequentemente provoca movimentos torcionais e dolorosos, podendo se localizar no pescoço (Distonia Cervical), nos membros, na face ou em outros locais, como por exemplo nas pálpebras (Blefaroespasmo). Neste último, o piscamento acentuado e o fechamento súbito e involuntário das pálpebras pode se comportar como uma cegueira funcional e aumentar o risco de quedas.

Além de condições relacionadas a distúrbios do movimento, a Toxina Botulínica também pode ser indicada em outros contextos. Por exemplo, na Enxaqueca Crônica, uma condição extremamente incômoda e debilitante. Graças ao potencial efeito de bloqueio de circuitos neuronais envolvidos na geração e perpetuação da dor, os pacientes com este diagnóstico podem apresentar significativa melhora da frequência e intensidade das dores de cabeça. Adicionalmente, Sudorese excessiva e Hipersalivação também podem responder bem ao tratamento com Toxina Botulínica.

Em conclusão, independente da indicação,o planejamento terapêutico com a Toxina Botulínica deve construído a partir de uma avaliação neurológica especializada. Isto é fundamental para confirmar o diagnóstico, identificar potenciais riscos ou contraindicações, escolher a melhor toxina para cada tipo de indicação, calcular as doses e os locais de aplicação, tudo isto com a finalidade de entregar os melhores resultados possíveis para cada tipo de necessidade.

Postado por: Dra. Cynthia Resende Campos Herrera, publicado em: 05/07/2018

CRM 911 74
Especialidades: Neurologia


Comente sobre este artigo

Você também pode gostar destes artigos