O problema da obesidade tem conserto?

Por: Dr. Lísias Nogueira Castilho, publicado em: 27/07/2022

O Brasil é, ao lado dos Estados Unidos, da Rússia, da Índia e da China, um dos cinco países mais obesos do mundo. Existe uma outra lista, com os países menos obesos do mundo, em que a maioria dos países luta contra a pobreza e a fome. Exceto um – o Japão, que é um dos países com menor índice de obesidade em sua população – apenas 3,7%. Os países mais obesos do mundo têm entre 17,1% (Brasil) e 33,6% (EUA). Esse baixo número de obesos em sua população, torna o Japão um exemplo a ser seguido pelos países desenvolvidos e também pelos países em desenvolvimento, como o nosso.

O sucesso do Japão, além de fatores culturais milenares, depende, em grande parte, de duas leis nacionais – uma voltada para as crianças e, a outra, para os adultos. A lei Shuku Iku, que contempla as crianças, vigente desde 2005, estabelece que todas as escolas ensinem aos seus alunos os valores nutricionais e culturais da boa alimentação, além de preparar e repartir os alimentos de qualidade nas suas escolas. Não há lanchonetes nem máquinas de comida para as crianças japonesas nas escolas. Toda a dieta é orientada por nutricionistas profissionais, que também participam da educação das crianças.

A lei Metabo, para os adultos, estimula adultos entre 40 e 75 anos de idade a fazerem a medição anual de suas circunferências abdominais, além de orientar e promover exercícios físicos regulares em seus horários de folga e orientação dietética. A circunferência abdominal masculina, medida com fita métrica, facilmente, deve estar igual ou menor do que de 94 cm, segundo a Organização Mundial da Saúde, e a da mulher, igual ou menor do que 80 cm. Esse importante indicador, serve para avaliar o risco cardiovascular, e vale tanto ou mais do que qualquer check-up exaustivo. Os japoneses têm investido nisso.

Postado por: Dr. Lísias Nogueira Castilho, publicado em: 27/07/2022

CRM 34 088
Especialidades:


Formação

Medicina – Universidade de São Paulo (USP)

Residência Geral – Universidade de São Paulo (USP)

Residência Urológica – Universidade de São Paulo (USP)

Mestrado – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Doutorado – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Livre Docente – Universidade de São Paulo (USP)

Especialização – Sociedade Brasileira Urológica.

 

 

Comente sobre este artigo

Você também pode gostar destes artigos

Artigos

Dia Mundial da Atividade Física

Dra. Talita Politano Galiza Vidal

Artigos

Doenças Raras

Dra. Ana Mondadori dos Santos

Artigos

Cansaço exagerado

Dr. Lísias Nogueira Castilho