Fertilidade e Diagnóstico de Câncer

Por: , publicado em: 06/03/2019

Muitas mulheres que receberam diagnóstico de Câncer acreditam que preservar a sua fertilidade é algo importante e desejam informações sobre isso. Outras não ficam confortáveis em levantar essas questões num momento de diagnóstico tão difícil.
Entender que existem algumas opções e encaminhar para um especialista em Reprodução em tempo hábil podem melhorar o panorama emocional e até a futura qualidade de vida.
Dentre as opções de preservação existem o congelamento de embriões, congelamento de sêmen ou de óvulos. Além disso, entender que existem outras maneiras de constituir famílias também pode gerar um certo conforto.

Detalhando as opções:

Congelamento de embriões – neste caso é necessário um período de ao redor de 10-15 dias para a indução de ovulação. Também seria necessário um parceiro ou sêmen de doador.

Congelamento de óvulos – neste caso também é necessário um período de ao redor de 10-15 dias para a indução de ovulação. Porém seriam congelados óvulos sem a fertilização, não sendo, portanto, necessário um parceiro ou sêmen de doador.

Congelamento de tecido ovariano (experimental) – remoção e congelamento de tecido ovariano. A remoção ocorre através de cirurgia – videolaparoscopia e existem alguns nascimentos no mundo de auto transplante de tecido ovariano.

Transposição dos ovários fora da zona de radiação – através da videolaparoscopia, não protegeria contra quimioterapia.

Supressão ovariana através de análogos do GnRH (experimental) – em conjunto com a quimioterapia, porém estudos não são concretos sobre a efetividade desta ação.

Comente sobre este artigo

Você também pode gostar destes artigos