Cansaço exagerado

Por: Dr. Lísias Nogueira Castilho, publicado em: 09/02/2022

Muitas pessoas se sentem excessivamente cansadas sem um motivo objetivo para isso. Não se esforçaram demais fisicamente, dormiram bem, não deixaram de se alimentar corretamente, não usaram remédios ou drogas, não passaram por algum grande estresse, não se sentem angustiadas, enfim, não sabem o porquê do cansaço exagerado. Isso pode ocorrer com pessoas de qualquer idade, inclusive crianças.
Nem sempre se consegue chegar a uma explicação médica para o cansaço exagerado, mas vale a pena procurar a causa. Anemia, diabetes, falta de hormônio da tireoide, falta de testosterona (no homem), falta de hormônios femininos (na mulher), estresse, parasitose intestinal, ansiedade, deficiência de vitamina D, câncer (de diversas origens) e depressão, entre outras muitas causas. Dieta errada também explica cansaço exagerado em muitas pessoas, assim como exercícios exagerados, apneia do sono e algumas outras doenças do sono.
Seja como for, o cansaço exagerado precisa ser investigado por um médico, antes de qualquer tentativa de tratamento. A história, o estilo de vida, o exame físico e alguns exames de laboratório podem revelar a causa do cansaço em poucos dias. Outras vezes é necessário investigar mais, por meio de exames endoscópicos e exames de imagem. Não raras vezes, nada é encontrado e o diagnóstico de um distúrbio emocional deve ser cogitado. A depressão tem muitas caras, mas a cara que tem o cansaço exagerado é muito frequente. Muitíssimas pessoas sadias, que se sentem excessivamente cansadas, têm depressão. A depressão deve ser tratada pelo psiquiatra por meio de medicamentos antidepressivos e terapia de apoio. O resultado do tratamento bem-feito em geral é bom. O cansaço desaparece logo e a sensação de mal-estar que o acompanha, também.
O cansaço exagerado, quando mal explicado e persistente, deve ser investigado. Doenças muito fáceis de tratar podem estar implicadas, na maioria das vezes. Algumas vezes, todavia, doenças muito sérias podem estar envolvidas, requerendo tratamentos especializados muito complexos.

Postado por: Dr. Lísias Nogueira Castilho, publicado em: 09/02/2022

CRM 34 088
Especialidades:


Formação

Medicina – Universidade de São Paulo (USP)

Residência Geral – Universidade de São Paulo (USP)

Residência Urológica – Universidade de São Paulo (USP)

Mestrado – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Doutorado – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Livre Docente – Universidade de São Paulo (USP)

Especialização – Sociedade Brasileira Urológica.

 

 

Comente sobre este artigo

Você também pode gostar destes artigos

Artigos

Dia Mundial da Atividade Física

Dra. Talita Politano Galiza Vidal

Artigos

Doenças Raras

Dra. Ana Mondadori dos Santos

Artigos

Entrando em forma

Dr. Lísias Nogueira Castilho

Busque por conteúdos

Categorias

Redes sociais