A esterilização cirúrgica do homem

Por: Dr. Lísias Nogueira Castilho, publicado em: 07/05/2019

Desde que foi industrializada a anestesia local, há cerca de um século, a vasectomia bilateral, que é a cirurgia de esterilização do homem, passou a ser praticada de forma progressiva, até que veio a se tornar o principal método de esterilização dos casais em países desenvolvidos, superando a esterilização feminina – a laqueadura das trompas uterinas.

A vasectomia compreende a interrupção de dois canais, um do lado direito, e outro do lado esquerdo, dentro do saco escrotal, por onde passam os espermatozoides. Depois dessa interrupção cirúrgica, as vesículas seminais, que ficam atrás da bexiga, dentro do abdome, e que servem de reservatório para o sêmen, eliminam todo o estoque de esperma depois de doze ejaculações, aproximadamente. A partir daí, o homem passa a ejacular apenas líquido seminal, sem espermatozoides, o que é visualmente impossível de distinguir do esperma.

A vasectomia é um dos métodos definitivos de planejamento familiar, porém é reversível. Em caso de arrependimento, o indivíduo pode passar pela reversão microcirúrgica e recuperar a sua fertilidade. Ou, então, recorrer ao esperma estocado em banco de esperma antes de fazer a vasectomia.

A vasectomia é feita por urologista, em regime ambulatorial, sob anestesia local. É um procedimento de meia hora, relativamente indolor. O indivíduo vasectomizado pode reassumir suas atividades laborais, sexuais e esportivas imediatamente. Depois de doze ejaculações, ele faz um espermograma. Constatada a sua esterilidade, ele tem alta definitiva. O risco de reversão espontânea é desprezível.

Nos países subdesenvolvidos, como o nosso, a vasectomia não é tão popular como a ligadura das trompas, mas o número de candidatos à vasectomia vem crescendo a cada década. A vasectomia é o melhor método de esterilização, especialmente porque pode ser feita sob anestesia local e pode ser revertida com relativo sucesso. Já a ligadura das trompas não deve ser feita sob anestesia local e sua

Postado por: Dr. Lísias Nogueira Castilho, publicado em: 07/05/2019

CRM 34 088
Especialidades:


Formação

Medicina – Universidade de São Paulo (USP)

Residência Geral – Universidade de São Paulo (USP)

Residência Urológica – Universidade de São Paulo (USP)

Mestrado – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Doutorado – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Livre Docente – Universidade de São Paulo (USP)

Especialização – Sociedade Brasileira Urológica.

 

 

Comente sobre este artigo

Você também pode gostar destes artigos